Momento desabafo

Andei um pouco sumida daqui, aliás muito sumida. Esses últimos tempos foram de muita luta. Estou plenamente curada do câncer, mas recebi na minha casa o meu sogro que lutou bravamente contra um câncer no pescoço. Não comentei muito sobre o assunto, mas isso mexeu profundamente comigo, pois revivi toda a minha luta vendo a luta dele e tinha me esquecido de toda a dor que havia passado, porque Deus é doce e ele nos permite seguir adiante e esquecer a dor do passado. Pois bem, na semana retrasada recebemos a notícia que o Teté (meu sogro) está curado do câncer do pescoço, mas estava com uma suspeita de algo no pulmão e hoje tivemos a notícia de que não se trata de um carcinoma e de que não é nada grave. Respirei. Respirei aliviada. Acredito que minha família merece descanso, foram 2 anos de luta contra o câncer, dois anos que aprendemos muito, que crescemos como família, mas que também sofremos e agora o que mais queremos é saúde, se pudesse fazer um pedido nesse Natal, seria saúde, abriria mão de qualquer coisa pra ver minha família gozando de plena saúde. Desculpem o desabafo, essa doença não é fácil. Foi uma grande batalha e mais uma vez, vencemos essa guerra. Obrigada a todos os amigos que nos apoiaram, obrigada a família que esteve presente e unida. Deus é mais, Deus é doce. Vencemos. Obrigada Deus por nos abençoar mais uma vez! Obrigada!

A importância da mamografia.

Ainda sobre a série do programa Fantástico sobre o câncer de mama, ao assistir ontem fiquei imaginando quantas mulheres passam por isso e infelizmente nem todas sobrevivem. É uma doença silenciosa e nos fornece poucos sinais. Por isso, é muito importante fazer a mamografia pelo menos uma vez por ano e se você tem menos de 45 anos, não deixe de fazer o auto-exame e o ultrasson das mamas. Foi por meio do auto-exame que descobri o câncer de mama e foi isso que me salvou, ter descoberto a tempo de fazer o tratamento.Se cuidem.

Um ano após o show do Paul Mccartney

Vai fazer um ano que o Paul Mccartney esteve em BH e posso definir aquele dia, como um dos dias mais felizes da minha vida. Eu me senti uma pessoa saudável novamente por ter ido ao show. Abaixo o post que escrevi em maio de 2013 contando minha experiência no melhor show do mundo:

Imagem

24 de maio de 2013 – Ainda bem que não ganho dinheiro com o blog, afinal andei muito sumida por aqui. Declaro que no mês de maio vivi uma onda, uma sucessão de momentos felizes. A começar pelo dia 04/05, show do Paul McCartney, Mineirão com 55 mil pessoas e eu, euzinha, eu mesma, era uma delas. Depois de passar quase um ano sem ter contato com nenhum grupo maior do que 20 pessoas, lá estava eu, no meio da pista, vendo meu maior ídolo, ao lado de pessoas que amo tanto.

Foi uma explosão de felicidade, entrei em êxtase, um êxtase de pelo menos uma semana, cantando as músicas do Paul como se não houvesse outro artista na face da terra. Parece que o show foi feito pra mim, as músicas que eu mais amo foram tocadas e quando ele tocou Let it be, o Mineirão estava aceso, todos na mesma sintonia, uma vibração emocionante e eu agradeci muito a Deus por poder estar viva e presenciar aquele momento.

Em seguida, não menos importante, o dia das mães, ah o dia das mães! Emocionante ver minha little Paul Mccartney se apresentando na escola, recitando um versinho que ela ensaiou pra mim durante dias com os coleguinhas, e me ensinando todas as canções que ela aprendeu esse ano. Deus foi magnífico comigo, me dar essa injeção de felicidade depois de toda aquela turbulência e mais, levar comigo nesses momentos, pessoas tão especiais que viveram tudo aquilo ao meu lado. Mais uma vez grata, e dessa vez, por ter a oportunidade de ver minha pequena crescer.

Esse mês também posso dizer que foi meu retorno ao trabalho de forma efetiva, me sinto mais próxima e em maior sintonia com o que está a minha volta, me sinto realizada por estar de volta e me sentir útil novamente.

Ainda em maio, peço licença pra mudar completamente de assunto, quero falar sobre a minha opinião no caso Angelina Jolie que fez a dupla mastectomia ao descobrir que haveria 90% de chance de ter um câncer de mama, após fazer o exame que detecta a mutação genética.

Ouvi de algumas pessoas que não era um ato de coragem, mas de medo, medo de enfrentar uma doença. Mas, eu que fiz uma mastectomia e enfrentei um câncer, afirmo que só quem passa por isso na família, sabe o quanto é doloroso. Pra mim, ela teve muita coragem, dupla coragem, a primeira em se submeter ao procedimento e a segunda em torna-la pública. Ela não precisava ouvir todos esses julgamentos, afinal, o corpo é dela, e cada um tem o livre arbítrio pra tomar a decisão que lhe convém na vida. Não acredito que todas as pessoas que fazem esse exame , tomam a decisão pela mastectomia, algumas pessoas optam por fazer mamografia anualmente. Seja qual for a decisão, o importante é que a medicina está cada vez mais evoluída no que diz respeito a diagnósticos de câncer e todo cuidado não é pouco, é necessário.

Voltando a minha doce e nada mole vida, desejo a todos, muitos motivos pra sorrir, que maio se repita durante o ano inteiro. Pense bem, é muito fácil cruzar os braços, reclamar  ou apontar os dedos e julgar, quero ver ter atitude, fazer, respeitar as diferenças, amar.

Viva mais leve, eu tenho tentado diariamente e tenho conseguido.

Por meio de fotos mulher supera um câncer no pulmão

Vi esse vídeo no site da revista Marie Claire, foi enviado pela Sandra Campos e achei simplesmente emocionante. Jennifer estava com tumores no pescoço e um câncer de pulmão em estágio avançado e por um ano decidiu registrar todos os dias a evolução da doença. Foram no total 325 fotos em um ano e é legal ver que na maioria das fotos temos um sorriso. Vale a pena assistir! Clique aqui

Injeção de auto-estima

Hoje faz 14 dias que fiz a reconstrução das mamas, a dor já diminuiu muito e já voltei a trabalhar e a dirigir. Semana passada, resolvi ir ao salão lavar os cabelos já que não podia levantar os braços, fazia muito tempo que eu não frequentava um salão de beleza e  a novidade foi voltar a ser loira, acho que junto com os novos peitos, recebi uma injeção de auto-estima.

Imagem

Parece bobagem, mas quando vi meu cabelo com mechas, me deu uma vontade de chorar gigantesca, só não chorei pra não assustar a mulherada que estava a se embelezar, parecia mágica depois de tudo que passei, voltar a ter meus cabelos como eu sempre gostei de vê-los.  Sai do salão me sentindo, literalmente me achando.

Quando cheguei em casa, a Rafa não estava, fui buscá-la no ballet e ela soltou o seguinte comentário: “Mamãe, seu cabelo está igual antes, que linda!” Ganhei meu dia, aliás meu mês. Sou muito grata, Deus está me dando a oportunidade de renascer a cada dia e vivenciar experiências fantásticas. Claro que tenho uma vida como a de qualquer mãe, trabalho muito, cuido da minha filha, de sua alimentação, saúde, educação…, cuido da minha casa, do relacionamento com meus amigos, com a minha família, vivo meus conflitos, a correria do dia a dia, o trânsito, mas não perco meu humor e minha fé.

Quando terminei meu tratamento e coloquei algumas metas na minha vida:

– Emagrecer ( Tô firme no propósito);

– Viajar com minha família (done);

– Voltar a frequentar a missa (feito);

– Ter mais tempo pra mim (aprendi a cuidar melhor do meu tempo);

– Voltar a frequentar a academia ( a mais difícil de todas, já matriculei,rs);

– Voltar a estudar…

Semana que vem, volto a estudar, começo uma especialização em projetos, portanto, em menos de 1 ano, já consegui atingir quase todos os meus objetivos. Posso resumir esse inicio de ano com uma palavra, gratidão.

 

 

Uma nova mulher

Como a vida nos prega peças, eu era completamente vaidosa, jamais ficava sem pintar os cabelos ou fazer as unhas, vivia de dieta e nunca estava satisfeita com meu corpo ou cabelo. Por um ano, tive que aprender a gostar de mim sem cabelos, sem unhas, sem seios, sem qualquer vaidade e não é que aprendi!

Ontem fiz a reconstrução das mamas, não me senti mais mulher por isso, mas fiquei feliz por encerrar meu tratamento com saúde e hoje posso garantir que não há nada mais importante na minha vida do que a minha saúde.

Talvez eu volte a usar decotes, pintar os cabelos, cuidar do corpo, mas com uma consciência muito maior que isso será apenas um complemento para levantar minha auto-estima e não o motivo dela, porque a beleza, a beleza um dia acaba, mas a beleza da alma, pode ser eterna. Você não será lembrado pela cor dos  seus cabelos e pelas roupas que usa, mas pelo legado que deixará para os que convivem com você.

Portanto, cultive seus amigos e sua família, com honestidade, sinceridade e humildade, porque o amor cura e sou prova viva disso.

 

Imagem

Um ano depois…

Faz um ano que fiz a cirurgia e que minha vida voltou ao normal, bem parece que ao normal, mas na verdade…

É impressionante como a dor nos faz enxergar a vida sobre outra perspectiva. Tudo ao meu redor passou a ser muito mais colorido, tenho tido muito mais cuidado com as palavras e mais ainda com as pessoas. Quem me conhece de verdade, sabe que depois que tive o câncer, passei a levar uma vida muito mais leve, tentando solucionar minhas questões e não fazendo dos meus problemas uma bola de neve.

Quem lê meus textos deve pensar, ela só fala da vida após o câncer e antes como era a vida da Marcinha? Pra ser bem sincera, era do mesmo jeito, sempre fui muito amada pela minha família e sempre tive muitos amigos, também tive muita sorte porque me relacionei com pessoas de bom coração, porém a diferença é que antes da dor, eu não sabia valorizar tudo que eu tinha, era muito estressada, reclamava muito e não sabia a importância da minha saúde e posso dizer com toda certeza que saúde é o nosso maior bem.

Fazendo uma avaliação desse um ano pós-cirugia, chego a conclusão que tenho tido muito mais qualidade de vida e tempo. Me organizei melhor e hoje consigo fazer minhas 24h serem prazerosas. Trabalho com o que eu gosto, curto minha família, tenho tempo pra ler, me exercitar(um pouco de preguiça, confesso), mas tenho tempo.

…na verdade estou muito feliz, me sinto uma mulher muito mais segura, tenho a rédea da minha vida nas minhas mãos, não tenho mais a beleza que tinha antes, não tenho mais meus seios, quando eu os tinha, não tinha auto-estima. Hoje  tenho auto-estima e adoro todas as minhas rugas, manchas, pintas, cicatrizes, elas são o desenho da minha história. Tenho paz e gratidão, sou grata por  recomeçar todos os dias e quando acordo, peço a Deus pra ser uma pessoa melhor , porque meu novo Eu, precisa ser exercitado todos os dias para que meu velho Eu não volte mais. É um aprendizado diário, uma loucura, aliás, devo confessar, prefiro os loucos, os que ousam, os que tem coragem, tenho medo de quem quer ser perfeito, medo de gente muito certinha, medo que minha vida volte ao normal.

Para Rodrigo

Já faz 3 meses desde a última cirurgia, me sinto curada do câncer e continuo firme no tratamento com o tamoxifeno. Durante 10 meses, sonhei muito em ter saúde e hoje tenho meu sonho realizado.

A vida não parou e vivi vários desafios durante o tratamento, hoje vivo novos desafios, mas consigo levar a vida de uma maneira muito mais leve.

Chegamos em novembro, praticamente no fim do ano e posso dizer que 2013 foi pra mim um ano de realizações de sonhos. Foi o ano da retirada do câncer, do meu renascimento, de novos valores e  de novos amigos. Tudo que vivi me fez enxergar quem realmente são as pessoas importantes na minha vida e quem se importa comigo.

Esse ano, vivi com a minha família o nosso maior desafio e conseguimos superar. Aprendi que todos os dias é um novo começo e cada dia tem que ser especial, estar perto de quem nos faz bem, faz toda a diferença.

Ontem, vi o Rodrigo um pouco chateado por ter perdido o emprego . Na minha opinião, ele não precisava estar, afinal, quem perdeu não foi ele, mas não vou entrar em detalhes. O Rodrigo é uma das pessoas mais competentes que eu conheço, ele tem um senso de responsabilidade muito grande, uma das pessoas mais íntegras que tenho o prazer de conviver. Posso dizer que é um homem com H maiúsculo, está presente em todos os momentos da minha vida, não saiu do meu lado durante todo o meu tratamento e hoje, apesar de todas as marcas que a doença me deixou, me faz sentir a mulher mais linda e desejada do mundo.

Meu amor, Deus não fecha as portas, ele fechou uma janela pra abrir várias portas pra você. Com toda sua competência e garra, não faltarão oportunidades. É hora de você descansar um pouco, foi um ano muito intenso, de muitas emoções. Não se preocupe, assim como você sempre esteve por mim, eu estou aqui por você, por você e pela Rafa.

Você é um guerreiro, um vencedor. Sorria! Porque seu sorriso é lindo e contagiante.

Imagem

Cris Guerra

Histórias que inspiram

Na pracinha

Histórias que inspiram

Não Conto Calorias

Histórias que inspiram

Meu mundo e nada mais

"I'm a dreamer, but I'm not the only one"